Entrevista com Janice Ghisleri

1-      Você começa a escrever com um vislumbre do clima, atmosfera, ambiente, ou tudo acontece no "escrever" mesmo?

R: Sempre tenho uma ideia inicial, mas deixo livre para ir desenvolvendo no decorrer da história. Já aconteceu de definir o fim da história e chegou ao meio, mudei completamente.

2-       Há escritores que reescrevem sempre o mesmo livro? Temendo isto, você muda de gênero como troca de camisa?

R: Não



3-      Falemos de cama: adormecendo lhe vem uma ideia, deixa para pensar no dia seguinte ou levanta-se de um salto, alucinado?

R: Sempre anoto as ideias que tenho, seja no computador ou no papel. Se não posso anotar, procuro lembrar depois.

4-       Seus julgamentos de valor são influenciados pelo calor da hora ou você mantém um distanciamento crítico?

R: Procuro ser imparcial, mas às vezes me incomoda.

5-      Sentimentos negativos como ódio, ciúme, inveja, vingança são motores bem regulados para a criação de uma obra?

R: Sim, influencia.

6-      O que faz quando sente que uma personagem lhe escapa?

R: Eu corro atrás dele rsrs

7-      Quando percebe, porém, que a personagem está fraca, que as ideias estão murchas, você recomeça ou adota a ironia em relação a elas

R: Deixo de lado, depois retomo.

8-      Cercado de baixo-astral por todos os lados, insiste em escrever porque...

R: Porque na escrita me sinto livre e feliz, posso criar o meu mundo. Se o meu está chato, crio um fantástico.

9-      A técnica é tudo, nada, meio caminho andado? Aliás com quem aprendeu?

R: procuro ler bastante, livros dicas e ensinamentos de outros autores

10- Escrever é só inspiração?

R: Inspiração, dom e técnica. Acho que um pouco de cada.

11- Quando atacado pela preguiça, como você consegue combatê-la?

R: Primeiro curto a preguiça, depois me forço a escrever.

12- Quando inicia um texto sabe antecipadamente seu conteúdo?

R: Em parte.

13-  Tem algum escritor em que se espelha?

R: Nenhum específico.

14- Um escritor está sempre absolutamente consciente do que faz?

R: Não.

15- Qual foi o seu primeiro e decisivo ato literário?

R: Escrever um livro.

16- Quando começou a escrever, já fazia planos de seguir carreira?

R: Não, comecei para me divertir e me apaixonei. Agora levo muito a sério. É um trabalho.


17-  Em caso de dúvida, impasse, descrença, você se aconselha com quem? (amigos, editor, leitor beta, etc)

R: Amigo e leitor beta.

18- Música de fundo e café são indispensáveis?

R: Nem sempre, mas às vezes é essencial e ajuda a inspirar.

19- Afinal qual o prazer do texto?

R: Não tem explicação, é um prazer imenso.

20- Para você como é escrever?

R: É ter o poder de criar o mundo que você quiser. Soltar sua imaginação e passar a mensagem que deseja. É poder tocar o coração dos leitores e tocar seu próprio coração. O prazer de receber uma mensagem de um leitor emocionado, empolgado com seu personagem, com sua história, é uma sensação maravilhosa. Eu realmente amo escrever.


0 comentários:

Postar um comentário